sexta-feira, 16 de novembro de 2012

A caravana da ilusão

"A caravana da ilusão chegou à Chapada dos Guimarães. Um velho jipe Rural estacionou em frente à igrejinha de Nossa Senhora de Santana. A porta abriu e uma companhia de atores mambembes saltou. No capô do velho jipe empoeirado um cartaz com o nome da peça a ser apresentada: "A caravana da ilusão", do mestre Alcione Araújo. E atrás dessa caravana, eu fui". (Além do Horizonte, pag 97)




Naqueles dias em que meu lar era uma barraca no mato, em uma praça de uma pequena cidade, conheci Alcione Araújo. Não o autor, mas a sua obra. Estava perdido, assim como os personagens de sua peça diante de uma bifurcação:

"Qual dos dois caminhos seguir?"

"Pergunte, então, qual dos três. Há também o caminho de volta..."

Como eu queria voltar no tempo, para mudar algumas coisas de meu passado. Mas eis que a Caravana da Ilusão me aponta o caminho:

"Para trás já conhecemos tudo"...

É preciso seguir em frente. Esta mensagem, naquele difícil momento de minha vida, surtiu um efeito tão grande que fez o meu sonho de me tornar escritor crescer ainda mais dentro de mim. Se eu pudesse escrever algo que um dia tocasse o coração de alguém, como Alcione Araújo havia feito comigo naquele momento, eu saberia que viver o meu sonho teria realmente valido a pena.

Cinco anos depois, como eu poderia imaginar que eu me sentaria à mesma mesa que o mestre Alcione Araújo? Sonhos são possíveis. Alcione me cumprimentou, como se eu fosse um escritor. Talvez eu fosse, talvez eu seja, mas o que realmente importa é que ele me convidou para viajar, em sua caravana da ilusão poética.




Muito obrigado, mestre Alcione Araújo! Que a sua caravana prossiga, além do horizonte...






2 comentários:

soraia.mag@gmail.com disse...

Que bonito!!!

André disse...

Obrigado pelo comentário, Soraia! Um abraço!